Desânimo

Hoje teremos uma conversa franca sobre o desânimo , vamos lá:

                Enquanto isso, o povo de Judá começou a dizer:
“Os trabalhadores já não têm mais forças e
ainda há muito entulho. Por nós mesmos não
conseguiremos reconstruir o muro”. (Ne 3.10)

No versículo 6, observamos os trabalhadores tão animados e dedicados à obra que levantaram o
muro até a metade. Mas no meio do trabalho eles se cansaram, perderam a visão e a esperança. Tinham
trabalhado tão arduamente, mas ficaram fisicamente exaustos: “Não temos mais força... há muito entulho... não conseguiremos reconstruir o muro”.Quanto desânimo!
O cansaço pode trazer desânimo, pois quando estamos cansados não conseguimos discernir bem as coisas: achamos que somos fracos demais; pensamos que tudo é grande demais; ficamos desanimados para lutar, para orar, para ler a Palavra de Deus. E é claro que o inimigo se aproveita desses
momentos. Além do sentimento de fraqueza, o desânimo ainda atrapalha nossa visão. No exemplo de Neemias,tudo o que os trabalhadores viam eram os entulhos. Em vez de olharem o muro de Jerusalém
construído até a metade da altura, eles só viam os escombros.
Quando começamos nossa obra de santificação, não imaginamos o trabalho que teremos pela frente.
Começamos animados e cheios de entusiasmo,mas o desânimo surge na metade da jornada.
Quando alguém vai escalar uma montanha muito alta, olha para cima e pensa com entusiasmo: “Eu
vou chegar lá no topo”. Mas na metade da subida,olha novamente para cima e pensa: “É longe mesmo.
Ainda falta muito!”. Há muita gente parando na metade do caminho. Certo grupo decidiu subir uma destas montanhas.
Calcularam as horas com cuidado para que todos chegassem ao topo antes de o frio impedir a subida. No meio do trajeto, eles pararam em uma base para descansar. Lá havia um bar com música ambiente. Chegou o momento de continuarem a subida, mas alguns decidiram ficar na base. Estavam desanimados pelo cansaço, então preferiram a descontração do bar e da música e se contentaram com a bela vista. O restante do grupo continuou. Alguns minutos depois, a música parou. Os desistentes que ficaram na metade do caminho se levantaram, olharam pela janela e viram os companheiros já longe, cumprindo a jornada proposta. De acordo com o dono desse bar, ocorre um fenômeno com todos os viajantes que param no meio do caminho. Eles são tomados por uma grande tristeza; ficam deprimidos e arrependidos quando percebem que desistiram do seu objetivo inicial por não terem se esforçado um
pouco mais.
O desânimo surge na metade da obra e atrapalha a visão. Observe que tanto os escaladores quanto
os trabalhadores do muro perderam a visão. Deixaram de enxergar o que já tinham conquistado e
deixaram de vislumbrar o que alcançariam no final. Passaram a ver só o enorme trabalho. Eles perderam
a esperança.

Mas graças a Deus por Jesus: Ele é a força que renova nossa esperança e nos impulsiona a continuarmos
nossa obra. O Senhor disse para você e para mim: “Neste mundo vocês terão aflições; contudo,
tenham ânimo! Eu venci o mundo” (Jo 16.33). É Cristo quem nos motiva e nos ajuda, por isso podemos
continuar nossa caminhada de santificação!



Texto retirado do livro "Santificação - estamos em obras" de Ana Paula Valadão


Comentários

  1. Devemos superar o desanimo como os grandes homens de Deus que também desanimaram, mas que confiaram em Deus; receberam novas forças e assim seguiram adiante lhe servindo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

As aflições da alma

Alegria da salvação

Não despreze as profecias e os profetas

Os propósitos de Deus

Destronando o espírito de Dalila

A bondade de Deus

Um resumo do Hino Nacional

Deus do Impossível